quinta-feira, 12 de abril de 2012

Por que a figueira?


Ficus Carica, esta é a espécie de figueira que trataremos como protagonista deste estudo. 
                     
Vejamos o que nos diz a Wikipédia, a enciclopédia livre:
.
As figueiras possuem um dos sistemas de reprodução mais curiosos da natureza. Suas flores, encerradas nos sicónios (figos), não têm contato direto com o ambiente externo, de forma que o pólen não pode ser transferido de uma planta a outra espontaneamente.

Há uma série de espécies de vespas polinizadoras minúsculas que se aproveitam da proteção do sicónio para depositar seus ovos. Elas procuram sicónios cujas flores femininas estejam maduras, e depositam seus ovos em seus ovários. As larvas, ao eclodirem, se alimentam dos tecidos internos do sicónio.

Quando atingem a fase adulta, os machos fecundam as fêmeas e, mais tarde, morrem, sem saírem dos figos, pois somente as vespas femininas são aladas. As fêmeas então procuram sair pelo ostíolo, passando pelas paredes internas do sicónio.

Neste momento as flores masculinas estão maduras, de modo que as fêmeas são impregnadas de pólen, antes destas abandonarem os figos. As fêmeas então repetirão o ciclo de vida, procurando um sicónio com flores femininas para depositar seus ovos, e ao mesmo tempo fertilizar as flores femininas maduras com o pólen trazido do sicónio onde nasceram.
As sementes, necessárias à propagação das figueiras, serão formadas a partir das flores polinizadas.

Quanto ao tipo de reprodução, existem dois tipos de figueiras, as monóicas e as dióicas.

As monóicas produzem figos com flores masculinas e femininas de estilete curto e longo. Nas flores femininas de estilete curto, cresce as larvas das vespas, e nas femininas de estilete longo, são formadas as sementes. Todas as figueiras nativas do continente americano são monóicas.

As figueiras dióicas se apresentam com dois tipos de plantas: as masculinas e as femininas.

As plantas masculinas produzem figos que contêm as flores femininas de estilete curto, onde as vespas machos e fêmeas crescem, e as flores masculinas, de onde é coletado o pólen. Os sicónios das plantas masculinas são designados por caprifigos 
(figos da planta masculina) . 
As plantas femininas produzem figos que possuem flores femininas de estilete longo, onde as sementes se formam, e também flores masculinas estéreis.
As figueiras da espécie Ficus carica, onde crescem os figos comestíveis, são dióicas. Os figos comestíveis crescem nas plantas femininas, já que os caprifigos não são saborosos.

Depois de conhecer as explicações ecológicas e científicas desta árvore, vamos conhecer a visão espiritual e bíblica sobre a protagonista deste estudo:

De acordo com o relato bíblico (Gênesis 3), o primeiro casal criado por Deus, Adão e Eva, cometeram um ato de desobediência ao comerem de uma árvore ao qual o Senhor Deus os havia proibido de comer (Gênesis 2:17), como conseqüência passaram a ver o que até então nunca tinham percebido; estavam nus.

Aqui começa nossa viagem em busca do verdadeiro significado da existência da figueira no jardim do Éden.

O casal ao perceberem que estavam nus, se esconde de Deus e busca refúgio em uma figueira, a nossa protagonista deste estudo.

Diz o relato bíblico: "Então, foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; pelo que coseram (costuraram) folhas de figueira, e fizeram para si aventais".
  
Curiosidade: As folhas desta espécie de figueira têm cinco pontas, lembram a palma da mão dos homens. Quando olhamos para as nossas mãos, vemos cinco dedos (pontas). Alguém nu, naturalmente usaria as mãos para se cobrir, quando não existisse outro recurso. 
Também são cinco os livros da lei (PENTATEUCO). A lei foi dada por causa das transgressões do homem, mas não tem o poder de salvar o homem do pecado.

Naturalmente, folhas de figueira são altamente perecíveis, não resistiriam aos primeiros raios do sol.

Após julgar a transgressão dos envolvidos neste episódio, o Senhor Deus fez túnicas de peles para Adão e sua mulher, e os vestiu (Gn 3:21), e sacrificou o primeiro inocente (animal) por causa do pecado do homem.

Neste primeiro episódio nada mais nos é informado sobre a protagonista deste estudo.

Viajando no tempo, vamos encontrá-la no livro de Juízes 9:8-13, neste episódio ela é protagonista de uma parábola:

“Foram uma vez as árvores a ungir para si um rei; e disseram à oliveira: Reina tu sobre nós”.

Mas a oliveira respondeu: Deixaria eu a minha gordura, que Deus e os homens em mim prezam, para ir balouçar (governar) sobre as árvores?

Então disseram as árvores à figueira: Vem tu, e reina sobre nós.

Mas  a figueira lhes respondeu: Deixaria eu a minha doçura, o meu bom fruto, para ir balouçar sobre as árvores?

Disseram então as árvores à videira: Vem tu, e reina sobre nós.

Mas a videira lhes respondeu: Deixaria eu o meu mosto, que alegra a Deus e aos homens, para ir balouçar sobre as árvores?”

Pelas respostas acima, podemos conhecer um pouco do caráter da nossa protagonista, enquanto suas companheiras se preocupam em agradar a Deus e aos homens, esta se preocupa consigo mesma.

Curiosidade: A oliveira na bíblia simboliza Israel, a nação escolhida por Deus para trazer ao mundo Jesus Cristo, o Filho de Deus, a gordura (azeite) simboliza o Espírito Santo que hoje habita na igreja, que é o corpo de Cristo, formada por todos os salvos.

videira é símbolo de Jesus Cristo. Do fruto da videira se extrai o vinho, representação do seu sangue.

E disse Jesus: "Eu sou a videira verdadeira, e o meu Pai é o viticultor".

Continuando nossa viagem chegamos agora ao período dos reis de Judá e Israel.

"Judá e Israel habitavam seguros, desde Dã até Berseba, cada um debaixo da sua videira, e debaixo da sua figueira, por todos os dias de Salomão" (I Reis 4:25).

"Não deis ouvidos a Ezequias, pois assim diz o rei da Assíria: Fazei paz comigo, e saí a mim, e coma cada um da sua vide e da sua figueira, e beba cada um a água da sua cisterna". (II Reis 18:31).

O reinado de Salomão foi caracterizado pela paz da nação de Israel (as doze tribos), houve poucas guerras neste período.

Depois da morte de Salomão, as tribos se dividiram: Judá (duas tribos) e Israel (dez tribos). Reinava em Judá Ezequias, um rei temente a Deus. Porém se levantou contra ele Senaqueribe, rei da Assíria, fazendo uma proposta de paz para que o povo de Judá o seguisse.

Curiosidade: Nestas duas passagens a paz e segurança são elementos comuns, pois ficar debaixo da videira (árvore com frutos) ou vide (ramos secos), e também debaixo da figueira na mesma época, significava que existiria concordância entre as pessoas,  os inimigos de Deus (pagãos) poderiam conviver pacificamente com os escolhidos de Deus (Judá). Esta era a proposta do rei da Assíria.
Deus sempre alertou o seu povo a não se misturar com os povos de outras nações.


Faremos uma pequena parada para analisarmos a citação que Salomão fez sobre a figueira nos livros de Provérbios e Cantares:

"O que cuida da figueira comerá do fruto dela; o que vela pelo seu senhor será honrado" (Pv 27:18).

"A figueira começa a dar os seus primeiros figos; as vides estão em flor e exalam o seu aroma. Levanta-te, amada minha, formosa minha, e vem" (Ct 2:13).

No livro de provérbios, Salomão nos revela um antagonismo envolvendo a figueira; cuidar de si próprio (egoísmo) e cuidar do próximo (seu senhor).

Em cantares nossa protagonista é aquela que se apresenta primeiro, seus frutos ocupam o primeiro lugar na natureza, as demais estão ainda dando flores.

Curiosidade: Jesus nos ensina: "Amarás a teu próximo como a ti mesmo" (Mt 22:39b) e;
"Guardai-vos dos escribas, que querem andar com vestes compridas, e gostam das saudações nas praças, dos primeiros assentos nas sinagogas, e dos primeiros lugares nos banquetes" (Lc 20:46).

Continuando a viagem, estamos agora diante de uma situação diferente da que viveu o rei Salomão. O povo havia se afastado de Deus, e os profetas falam do povo vivendo num período de muitas dificuldades:

"E (os inimigos) comerão a tua sega e o teu pão, que teus filhos e tuas filhas haviam de comer, comerão os teus rebanhos e o teu gado, comerão a tua vide e a tua figueira, as tuas cidades fortificadas, em que confias, abatê-las-ão à espada" (Jr 5:17).

"Quando eu os colheria, diz o Senhor, já não há uvas na vide, nem figos na figueira; até a folha está caída; e aquilo mesmo que lhes dei se foi deles" (Jr 8:13).

"E devastarei a sua vide e a sua figueira, de que ela diz: É esta a paga que me deram os meus amantes, eu, pois, farei delas um bosque, e as feras do campo as devorarão" (Os 9:10).

"Fez da minha vide uma assolação, e tirou a casca à minha figueira, despiu-a toda, e a lançou por terra, os seus sarmentos se embranqueceram" (Jl 1:7).

"A vide se secou, a figueira se murchou; a romeira também, e a palmeira e a macieira, sim, todas as árvores do campo se secaram; e a alegria esmoreceu entre os filhos dos homens" (Jl 1:12).

"Não temais, animais do campo, porque os pastos do deserto já reverdecem, porque a árvore dá o seu fruto, e a vide e a figueira dão a sua força" (Jl 2:22).

Estes profetas viveram tempos angustiosos, a nossa protagonista sofreu as conseqüências do juízo de Deus sobre o seu povo.

"Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto nas vides; ainda que falhe o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento, ainda que o rebanho seja exterminado da malhada e nos currais não haja gado" (Hc 3:17).

Curiosidade: A vide é uma companheira inseparável da figueira, mesmo nos momentos mais difíceis. Quando se fala em vide, trata-se dos ramos secos.

Há também os profetas que profetizaram sobre a restauração do seu povo:

"Mas assentar-se-á cada um debaixo da sua videira, e debaixo da sua figueira, e não haverá quem os espante, porque a boca do Senhor dos exércitos o disse" (Mq 4:4). 

"E está ainda semente no celeiro? A videira, a figueira, a romeira, e a oliveira ainda não dão os seus frutos? Desde este dia hei de vos abençoar" (Ag 2:19).

"Naquele dia, diz o Senhor dos exércitos, cada um de vós convidará o seu vizinho para debaixo da videira e para debaixo da figueira" (Zc 3:10).

O mistério já está se revelando, Cristo (videira) e o Homem (árvore), lado a lado, na adversidade e na redenção. Assim entenderam os profetas que falaram da parte de Deus.

Curiosidade: A vide do tempo das dificuldades agora é a videira do tempo das promessas. Quando se fala em videira trata-se dos ramos com folhas verdes ou frutos.

Como disse o apóstolo Paulo: "esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus" (Fp 3:13b-14).

Nossa viagem agora muda de rumo, entramos na estrada da graça, o caminho é de luz, estamos nos aproximando do nosso destino. E a figueira, o que será dela?

Vejamos:

"Perguntou-lhe Natanael: Donde me conheces? Respondeu-lhe Jesus: Antes que Felipe te chamasse, eu te vi, quando estavas debaixo da figueira. Ao que lhe disse Jesus: Porque te disse: Vi-te debaixo da figueira, crês? coisas maiores do que estas verás" (Jo 1:48,50).

Natanael sabia muito bem o que aquela figueira representava para o povo de Israel, pois ele era "um verdadeiro israelita", a figueira estava lá, bem perto dele. E a videira, Onde estava?

videira verdadeira estava diante dele! Ele disse: "Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és rei de Israel".

Curiosidade: Natanael não precisava mais se lamentar debaixo da figueira, ele acabara de conhecer o Messias prometido, a videira verdadeira, Jesus Cristo o filho de Deus.

Natanael tinha compreendido, mas Jesus ainda precisava ensinar aos outros discípulos a natureza da figueira e dos seus frutos.

"E (Jesus) passou a narrar esta parábola: Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha; e indo procurar fruto nela, e não o achou.
Disse então ao viticultor: Eis que há três anos venho procurar fruto nesta figueira, e não o acho; corta-a; para que ocupa ela ainda a terra inutilmente?
Respondeu-lhe ele: Senhor, deixa-a este ano ainda, até que eu cave em derredor, e lhe deite estrume;
e se no futuro der fruto, bem; se não, corta-lá-ás" (Lc 13:6-9).

A figueira está a ponto de ser cortada, o seu fim depende dela mesma, precisa dar frutos, senão...

Curiosidade: O Espírito Santo é o nosso Consolador e intercede (na pessoa do viticultor) por nós.

A nossa viagem está perto do fim, mas o caráter da figueira precisa ser revelado por completo:

"e Jesus avistando de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se, porventura, acharia nela alguma coisa; e chegando a ela, nada achou senão folhas, porque não era tempo de figos.
E Jesus, falando, disse à figueira: Nunca mais coma alguém fruto de ti. “E seus discípulos ouviram isso” (Mc 11:13-14).
“Quando passavam na manhã seguinte, viram que a figueira tinha secado desde as raízes.
Então Pedro, lembrando-se, disse-lhe: Olha Mestre, secou-se a figueira que amaldiçoaste.
Respondeu-lhes Jesus: Tende fé em Deus" (Mc 11:20-22).

Curiosidade: A figueira é uma árvore que os frutos nascem antes do que as folhas, e uma figueira que tem folhas naturalmente têm figos, porém como não era tempo de figos, ela não poderia também ter folhas.
.
Nossa viagem continua, mas nossa protagonista não seguirá mais conosco, seu julgamento já foi realizado, sua sentença já foi proferida, o juízo de Deus foi cumprido, ela foi condenada, agora seca, só serve para o fogo.

Mas ela ainda poderá ser lembrada para ensinar-nos algumas lições:

1) Sinal dos tempos

"Propôs-lhes então uma parábola: Olhai para a figueira, e para todas as árvores;
quando começam a brotar, sabeis por vós mesmos, ao vê-las, que já está próximo o verão.
Assim também vós, quando virdes acontecerem estas coisas, sabei que o reino de Deus está próximo" (Lc 21:29-31).

2) Discernimento espiritual

"Meus irmãos, pode acaso uma figueira produzir azeitonas, ou uma videira figos? Nem tampouco pode uma fonte de água salgada dar água doce" (Tg 3:12)

3) Juízo de Deus

"e as estrelas do céu caíram sobre a terra, como a figueira, sacudida por um vento forte, deixa cair os seus figos verdes" (Ap 6:14)

A árvore que era e já não é, Deus julgou suas obras; tinha negado do seu fruto ao seu Criador, sua natureza era a rebelião. Figura daqueles que não obedecem à palavra de Deus, e não dão frutos para a sua obra.

A nossa viagem ainda não terminou, pois agora temos um novo e vivo caminho.

Ainda não ficamos livres do mal, mas agora a videira verdadeira é nossa única fonte de vida, conhecemos o mal, mas sabemos que Jesus está conosco na caminhada, rumo à terra prometida; a Jerusalém celestial.

Adão e Eva comeram da única árvore que não poderiam comer. Então Deus proibiu-os de comerem da árvore da vida; que estava no meio do jardim do Éden, para que não vivessem eternamente na desobediência.

Curiosidade: Eva disse à serpente que a árvore que Deus lhes havia proibido comer, estava no meio do jardim, mas esta era a localização geográfica dada por Deus da árvore da vida.

Durante a jornada elas andaram juntas (figueira e videira ou vide); desde o jardim do Éden até Jerusalém; agora já podemos afirmar que a árvore que Deus proibiu  Adão e Eva de comer, era em sentido figurado uma figueira, pois foi nela que o homem procurou proteção quando seus olhos foram abertos, e durante toda a vigência da lei, Cristo sempre esteve ao seu lado.
figueira  também é símbolo da lei, pois a lei nunca conseguiria cobrir o pecado do homem, pelo contrário pela lei se conhece o pecado.

Mas como Cristo destruiu a figueira, assim também ele aboliu a lei, para que Ele pudesse cobrir definitivamente os nossos pecados e habitar dentro de nós pela igreja, que é o seu corpo.

Lembremos ainda que, a única vez que Jesus proferiu uma palavra de maldição foi contra uma figueira.

Estas são algumas características que podemos observar naquela figueira amaldiçoada por Jesus:

a) Tinha folhas vistosas (Jesus a viu de longe); como pessoas que vivem da aparência exterior, mas por dentro não tem nada a oferecer, são sepulcros caiados.

b) Não tinha frutos; como pessoas que não fazem nada para agradar a Deus e ao próximo.

c) Seca-se ao ouvir a palavra de Deus, pois são como pessoas que preferem morrer do que dar frutos para o seu Criador.

Finalmente podemos voltar ao que disse Eva, quando olhou para a árvore do conhecimento do bem e do mal:

“E, vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento, tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela”. (Gn 3:6).

Concluindo, Eva atendeu a tudo o que a carne (natureza do homem caído) deseja, não se preocupando em obedecer à voz de Deus, que nos criou para sermos para o “Louvor da sua Glória”.

Reflexões:

"Porque, assim como pela desobediência de um só homem (Adão) muitos foram constituídos pecadores, assim também pela obediência de um (Jesus Cristo) muitos serão constituídos justos" (Rm 5:19)

“Assim também nós, quando éramos meninos, estávamos reduzidos a servidão debaixo dos primeiros rudimentos do mundo;
mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei,
para remir os que estavam debaixo da lei; a fim de recebermos a adoção de filhos” (Gl 4:3-5).

"Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; que foi sepultado; que foi ressuscitado ao terceiro dia, segundo as Escrituras" (I Co 15:3-4).

"Porque o Senhor mesmo descerá do céu com grande brado, à voz do arcanjo, ao som da trombeta de Deus, e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.
Depois nós, os que ficarmos vivos seremos arrebatados juntamente com eles, nas nuvens, ao encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor “(1Ts  4:16-17).


Nenhum comentário:

Postar um comentário